Sou dj e todo mundo está produzindo, e agora ? - E-Music Station

Sou dj e todo mundo está produzindo, e agora ?

Written by on 25 de junho de 2020

Um assunto que sempre está em pauta nas conversas entre DJ´s, produtores e afins, será que preciso produzir músicas para ser reconhecido como um DJ profissional para ter sucesso ?

De fato consideramos tarefas diferentes, DJ responsável por escolher uma música, e tocar nas festas ou nas rádios. Produtor é responsável por escrever, compor e produzir música.

São duas coisas completamente distintas, porém nos dias atuais, cenário competitivo, um DJ pode ser produtor e um produtor por ser DJ, mas o mercado faz confusão, distorcendo as duas profissões.

Com as novas formas de tocar pelo uso de ferramentas como o Traktor ou Ableton, a arte de tocar como DJ não limita mais em simplesmente em mixar 2 músicas.

De fato fazer música não o torna melhor DJ e ser um produtor não o torna um Dj com uma pedagogia musical perfeita e com uma técnica de mixagem excelente. A realidade na atualidade é outra, o mercado mudou muito e agora ser Dj virou uma profissão que pode te dar de comer, mas também virou moda e status e isso faz que tenha mais Djs que no passado.

Em consideração as regras do mercado e a vontade de ser um DJ famoso me força a ser também um produtor, porém não necessariamente absorvo como via de regra, cabe a sua decisão, sua definição para sua carreira, conheço dj´s famosos que não produzem músicas, atípico ? Mais tem !

Se observamos a situação atual percebemos que há algo importante que cada DJ deve considerar: agregar valor à sua trajetória artística. Um Dj hoje que toca e produz sua própria música, tem a sua própria label para vender e distribuir a própria música, é um promotor de evento ou até criou uma agência de booking, tem suas chances multiplicadas com relação ao seu concorrente. Até parece que estou entrando em contradição no texto, mas temos que analisar os dois cenários.

Conversamos com o DJ/Produtor Ramilson Maia,  famoso por criar remixes oficiais para músicas de diversos cantores em todo o Brasil como Daniela Mercury, Roberto Carlos, Marisa Monte, “Filtro Solar”com Pedro Bial, Vanessa da Mata, Fernanda Porto, Claudia Leite, Graça Cunha entre outroscomo DJ já se apresentou no Japão, Ucrânia, Itália, Portugal, França, Reino Unido, Rússia, República Checa, Espanha e Áustria.

O meu início foi uma experimentação artística, a partir das técnicas adquiridas em equipamentos analógicos como, Sample, Mesa, DAT, Fita Magnética e Computador de baixa performance, produzi os meus experimentos musicais de test como: Hard House, Techno e o que saia…

Após alguns anos, com melhor condição financeira, substitui meus equipamentos por outros mais potentes e tecnologicamente avançados, por consequência a qualidade das músicas melhoraram.   

Atualmente o desenvolvimento e a construção de músicas com softwares gratuitos facilitaram ainda mais o acesso para os produtores independentes. Outra observação, a diminuição do tamanho destes aparelhos também se mostrou um dos avanços mais importantes em relação a pesquisa musical. Em contraponto, se fortaleceu um nicho de mercado de público de ME que gerou uma profissionalização e rígidas.

Blz, não sei produzir, então vou pagar alguém e fica tudo certo, afinal quem vai saber ? Não seria nada legitimo e ético, e mais cedo ou mais tarde a mascara cai. Sempre prevalecerá o trabalho e talento que somados no final serão recompensados. Seja autentico.

Outro ponto de obervação é a procura forçada do sistema por dj´s / produtores, isso emerge o seguinte pensamento “opa vou aproveitar a demanda, crio um loop sem vergonha, um arranjo safado, um efeitinho e já era”, esse perfil de dj/produtor é o que mais tem e denigre a imagem das pessoas que trabalham sério gerando aquele comentário.

Discotecagem e produção musical são arte. Se você quer viver de forma sustentável como DJ, precisa pensar nisso como uma empresa – isso permite cobrir seus custos de vida, o que significa que você pode se concentrar mais em tocar, em vez de se preocupar com o aluguel do próximo mês. Ter vários micro-fluxos de renda podem lhe dar um complemento financeiro que lhe permite ser criativo; ganhar dinheiro permite que você faça mais arte. É assim que você sobrevive, e depois prospera, como DJ/produtor.

Muita gente consegue viver tocando três vezes por semana, produzindo música, tocando em festas particulares, fazendo seus próprios shows e criando playlists para eventos de empresas e marcas. Todas são ótimas maneiras de divulgar seu nome, mantendo suas habilidades afiadas e, claro, mantendo seus boletos em dia.

O truque é você identificar e atuar nos pontos em que sua música se encaixa, e usar todas essas possibilidades para estabelecer a sua carreira.

Até o próximo artigo

 


Reader's opinions
  1. DJ Rubens Lima   On   25 de junho de 2020 at 12:12

    O lance da produção é uma parada que dentro do cenário Drum’n’Bass, não vejo muito profissionalismo. Várias músicas são lançadas, mas não vemos uma construção em volta dessa produção, como por exemplo, o marketing, a divulgação, a distribuição. Sinto que são produções para se manter ativo dentro do cenário e não contribui para o crescimento nacional. Falta sentimento, sensibilidade…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


[There are no radio stations in the database]